Pelo Vale do Gadanha - Moinhos de Pinheiros I

O rio Gadanha é um afluente do Minho que não constava dos mapas nem das lenga-lengas que se cantarolavam nas Escolas Primárias do meu tempo. Do Minho dizia-se apenas que "nasce nos Montes Cantábricos em Espanha, passa por Melgaço, Monção e Valença e vai desaguar junto de Caminha. Tem de afluente na margem esquerda o Coura"...

É muito pouco para caracterizar o Vale do Minho e uma injustiça para os vales banhados pelos rios Mouro e Gadanha.

O Vale do Gadanha, além de ser extremamente fértil, é rico em património arquitectónico, etnográfico e histórico que merece ser conservado, acarinhado, realçado e divulgado exaustivamente.

Um dos motivos de interesse com um forte potencial para ser explorado são os inúmeros moinhos. Muitos já "descobertos", muitos mais ainda por "descobrir", eles são marcos na paisagem ao longo de todo o percurso do rio Gadanha.

Desde a nascente, lá na serra, por cima de Anhões, até à foz, em Troporiz, eles pontificam nas margens do Gadanha e outros cursos de água que confluem para este. São, na sua grande maioria, apenas ruínas de um passado não muito distante que se ocultam no denso matagal que ladeia as margens, envergonhados da inércia e ingratidão dos proprietários, homens e mulheres, em regra, filhos e netos daqueles que os criaram e lhes deram vida...

Em Pinheiros, situa-se um importante núcleo molinológico que, pela excelente localização e acessibilidade, bem poderia transformar-se num polo de divulgação deste rico e vasto património.

As imagens que se seguem reportam-se, apenas, ao conjunto de moinhos situado a jusante da magnífica Ponte Medieval.

 

São três ou quatro, geminados e perfeitamente individualizados, cada qual com o seu único par de mós.

 

 

Todos eles são movidos a água, através do sistema de rodete submerso.

 

Na imagem que se segue observamos as comportas onde o caudal de água era regulado.

 

Este ainda revela sinais recentes de funcionamento.

 

Aqui já são maiores os estragos provocados pelo abandono.

 

A represa que os alimentava também forma uma magnífica praia fluvial. O local é lindo!


Publicado por Eira-Velha às 16:01 | link do post | comentar | ver comentários (1)